>

Como a OIT está ajudando a acabar com o trabalho forçado na indústria do algodão no Uzbequistão

13 Outubro 2017

Cerca de um em cada quatro adultos no Uzbequistão está envolvido na colheita anual de algodão, que ocorre entre setembro e novembro. Saiba o que a OIT está fazendo para evitar o trabalho forçado nessa atividade.

©lisakristine.com

Cerca de um quarto da população adulta do Uzbequistão – mais de três milhões de pessoas – participa todos os anos da colheita de algodão. Cerca de dois terços dessas pessoas são mulheres.

A OIT vem acompanhando o uso de mão de obra infantil no setor desde 2013. Em 2015, começou a monitorar o uso de trabalho forçado e trabalho infantil como parte de um acordo com o Banco Mundial.

Durante este período, o uso sistemático do trabalho infantil foi abolido.

Apesar do trabalho forçado de adultos ainda persistir, estamos vendo alguns avanços muito encorajadores para acabar com essa prática também. Em setembro de 2017, o presidente do Uzbequistão, Shavkat Mirziyoyev, falou perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, onde prometeu acabar com o trabalho forçado em seu país e ressaltou o envolvimento do governo com a OIT.

Pouco depois, o governo uzbeque anunciou que havia parado de enviar estudantes e funcionários públicos para trabalhar na colheita nos campos de algodão – um passo importante para acabar com o trabalho forçado nesse setor fundamental da economia.

A OIT continua desempenhando um papel importante nesse sentido, através do Projeto de Monitoramento Externo (PME), que cobre diversas atividades em todo o país.

Como parte do Projeto PME, a OIT:

  • Envolve os tomadores de decisão do mais alto nível
  • Treina pessoas diretamente envolvidas com recrutadores de catadores de algodão
  • Realiza monitoramentos independentes sobre a eficácia dos sistemas de recrutamento
  • Realiza pesquisas sobre a experiência de recrutamento dos catadores de algodão
  • Conscientiza a população sobre os direitos trabalhistas
  • Fortalece os mecanismos de informação
  • Publica resultados e recomendações da OIT
  • Apoia reformas mais amplas do mercado agrícola e do trabalho

Para saber mais sobre como o projeto PME da OIT ajuda a promover empregos e proteger as pessoas no Uzbequistão, leia o blog de Beate Andrees (Chefe do Setor de Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho da OIT).