>

Tornar realidade o recrutamento justo!

31 Janeiro 2018

Pela primeira vez um projeto da OIT promove o recrutamento justo de trabalhadores nepaleses que devem trabalhar na Jordânia no setor de vestuário. Este projeto demonstra que mudanças positivas podem ocorrer quando todos os atores chave, ao longo de uma cadeia de suprimentos, trabalham juntos.

©lisakristine.com

“Eles disseram que poderíamos ir somente se pagássemos uma certa quantia. Alguns pagaram 145 dólares, outros 195 e alguns até 385 “, disse Lakshmi, uma jovem nepalesa, sobre os recrutadores que a mandaram para trabalhar na Jordânia.

A maioria dos trabalhadores nepaleses que migram para a Jordânia para trabalhar no setor de vestuário são mulheres jovens, com apenas a educação básica, e que vêm de famílias pobres. Normalmente, elas são obrigadas a pagar grandes taxas de recrutamento para recrutadores e sub-agentes, muitas vezes chegando na Jordânia com uma dívida significativa.

Enganados sobre suas condições de trabalho e de vida, esses trabalhadores, muitas vezes, contam os dias em que eles podem pagar suas dívidas e voltar para casa. “Os recrutadores nos disseram que ganhamos cerca de 300 dólares, mas quando chegamos lá eram apenas 155 dólares”, disse Lakshmi.

Milhares de trabalhadores migrantes são enganados por recrutadores sem escrúpulos, terminando em situações extremamente difíceis, que pode ser o trabalho forçado.

Ao contrário de Lakshmi, Bipana e Sushila, duas outras jovens do Nepal, não pagaram uma única rupia para trabalhar na Jordânia. A diferença foi “FAIR”.

Bipana e Sushila são duas das beneficiárias de um programa inovador da OIT chamado “FAIR”, que promove práticas de recrutamento justas em âmbito mundial e em rotas de migração específicas no norte da África, Oriente Médio e Sudeste asiático, com base em dois princípios fundamentais:

  • Os trabalhadores não devem pagar taxas de recrutamento, e
  • Os trabalhadores devem ser totalmente informados sobre as suas condições de trabalho e de vida nos países de destino por meio de contratos escritos em sua língua

Para evitar que os trabalhadores acabem na situação de Lakshmi, a OIT tem trabalhado com todos os atores-chave ao longo da cadeia de suprimentos, das marcas de vestuário internacionais provenientes da Jordânia, fábricas jordanas, de recrutadores e trabalhadores no Nepal, com organizações de trabalhadores e empregadores, até com os governos.

“No Nepal, recebi informações sobre condições de trabalho, salário e cuidados médicos”, explica Bipana, que também recebeu formação profissional no setor de vestuário. “Agora estou confiante para ir para a Jordânia”. Elas receberam informações adequadas sobre condições de trabalho e de vida, bem como seus direitos e possibilidades de sindicalização na Jordânia.

“Na verdade, muito é feito antes da migração. Para garantir que nenhuma taxa seja paga, é fundamental chegar aos trabalhadores nas próprias aldeias”, explica Tristan Forster da FSI, uma agência mundial de recrutamento.

Bipana, Sushila e outros trabalhadores nepaleses foram recrutados de maneira justa para a Jordânia através do projeto FAIR

Já há sinais de que as culturas de recrutamento de mão-de-obra no Nepal e na Jordânia estão começando a mudar graças ao projeto. Cada vez mais fábricas e agências de recrutamento vêm sendo encorajadas a adotar práticas de recrutamento justas em ambos os países.

“O poder das marcas internacionais para encorajar mudanças positivas em suas cadeias de fornecimento de mão-de-obra deve ser enfatizado”, explica Philip Fishman da OIT. “Na Jordânia, marcas internacionais bem conhecidas comprometeram-se a promover princípios justos de recrutamento como boas práticas comerciais e como importante meio de reduzir o risco de manchar sua reputação internacional. Como resultado, cada vez mais estas estão exigindo que seus fornecedores adotem políticas e práticas de recrutamento justas como condição para realizar transações comerciais “.

Depois de superar muitos obstáculos e desafios, o corredor de recrutamento justo Nepal-Jordânia está funcionando e um processo de recrutamento justo vem sendo realizado. “Eu adoraria ver esse projeto crescer e aumentar. Estamos à procura de mudanças na indústria, precisamos que todos colaborem “, disse Kindley Walsh-Lawlor da GAP Inc.

Saiba mais:

FAIR” (em espanhol)  faz parte de uma “Iniciativa de Recrutamento Justo” global (em inglês), lançada pela OIT em 2014, que visa prevenir o tráfico de pessoas e o trabalho forçado, além de proteger os direitos dos trabalhadores (incluindo os trabalhadores migrantes) de práticas abusivas e fraudulentas durante o processo de recrutamento.

Leia os Princípios Gerais e as Diretrizes Operacionais da OIT para o Recrutamento Justo (em espanhol)